30 de dez de 2010

Feliz Ano Novo!


"Que as realizações alcançadas este ano, sejam apenas sementes plantadas, que serão colhidas com maior sucesso no ano vindouro."

Feliz Ano Novo!


Feliz Ano Novo
Imagens e recados para Orkut no Glimboo!

29 de dez de 2010

A FORÇA POLÍTICA DO MOSQUITO

Escrito por Luiz Calixto | 29 Dezembro 2010 

Resistente, perverso e mutante, o mosquito da dengue, com suas potentes e certeiras lanças de dores nos ossos e queimaduras febris, já levou à cama  milhares de riobranquenses.
À óbito, por hemorragia, dezenas.
Por mais de 4 anos o mosquito sobrevoou o gabinete do secretário Pascal Kalil para apeá-lo do poder, não pelos sintomas da doença, mas por absoluta incompetência.
Reunindo apoio político mais resistente que as larvas geradas pela coligação do Aedes aegypti, Pascal, às duras penas, vegetou no cargo.
Nesta semana, o secretário não resistiu ao nocaute aplicado pelos milhares de casos notificados e beijou a lona.

A FORÇA POLÍTICA DO MOSQUITO

Escrito por Luiz Calixto | 29 Dezembro 2010 

Resistente, perverso e mutante, o mosquito da dengue, com suas potentes e certeiras lanças de dores nos ossos e queimaduras febris, já levou à cama  milhares de riobranquenses.
À óbito, por hemorragia, dezenas.
Por mais de 4 anos o mosquito sobrevoou o gabinete do secretário Pascal Kalil para apeá-lo do poder, não pelos sintomas da doença, mas por absoluta incompetência.
Reunindo apoio político mais resistente que as larvas geradas pela coligação do Aedes aegypti, Pascal, às duras penas, vegetou no cargo.
Nesta semana, o secretário não resistiu ao nocaute aplicado pelos milhares de casos notificados e beijou a lona.

A FORÇA POLÍTICA DO MOSQUITO

Escrito por Luiz Calixto | 29 Dezembro 2010 

Resistente, perverso e mutante, o mosquito da dengue, com suas potentes e certeiras lanças de dores nos ossos e queimaduras febris, já levou à cama  milhares de riobranquenses.
À óbito, por hemorragia, dezenas.
Por mais de 4 anos o mosquito sobrevoou o gabinete do secretário Pascal Kalil para apeá-lo do poder, não pelos sintomas da doença, mas por absoluta incompetência.
Reunindo apoio político mais resistente que as larvas geradas pela coligação do Aedes aegypti, Pascal, às duras penas, vegetou no cargo.
Nesta semana, o secretário não resistiu ao nocaute aplicado pelos milhares de casos notificados e beijou a lona.

A FORÇA POLÍTICA DO MOSQUITO

Escrito por Luiz Calixto | 29 Dezembro 2010 

Resistente, perverso e mutante, o mosquito da dengue, com suas potentes e certeiras lanças de dores nos ossos e queimaduras febris, já levou à cama  milhares de riobranquenses.
À óbito, por hemorragia, dezenas.
Por mais de 4 anos o mosquito sobrevoou o gabinete do secretário Pascal Kalil para apeá-lo do poder, não pelos sintomas da doença, mas por absoluta incompetência.
Reunindo apoio político mais resistente que as larvas geradas pela coligação do Aedes aegypti, Pascal, às duras penas, vegetou no cargo.
Nesta semana, o secretário não resistiu ao nocaute aplicado pelos milhares de casos notificados e beijou a lona.

ABRE A PORTA, DILMINHA


Escrito por Luiz Calixto | 26 Dezembro 2010

Da coluna do Claudio Humberto

20 de dez de 2010

CORTE RASO

Escrito por Luiz Calixto | 20 Dezembro 2010

altAs perspectivas não são em nada alvissareiras  para turma do andar de baixo.
Para tapar o rombo e ajustar as contas, a tesoura afiada do governador vai cortar, de cara, boa parte dos GTs ( grupos de trabalho), 80 DAS e 800 funções gratificadas.
Como ¨bocado comido é bocado esquecido¨, a galera que se segurou no pau das bandeiras petistas sob sol escaldante nas esquinas da cidade, na esperança de permancer no emprego, está em polvorosa.
A situação das finanças do estado é desoladora.
Gastaram muito e o  crescimento das receitas não aguentou e nem acompanhou o ritmo alucinado das despesas.

SE A MODA PEGA, O HEDISLANDE VAI FATURAR

19 de dez de 2010

TRISTE PARTIDA

Escrito por Luiz Calixto | 17 Dezembro 2010 

altMelancólico este final de governo de Binho Marques.
Depois de falhar no cumprimento de suas principais promessas de campanha, o governador assiste passivamente sua gestão atolar-se, mais ainda, na lama movediça da corrupção.
A BR-364 não foi emendada, a sociedade não foi emponderada e os números dos indicadores sócio-econômicos desfilam nos últimos lugares.
Deus foi culpado pelo atraso da BR, o empoderamento se resumiu à distribuição aleatória de recursos públicos para associações e sindicatos companheiros e o melhor lugar para se viver tem endereço na centena de outdoors espalhados pela cidade.
Por fim, os petistas estão se descabelando com a descoberta do rombo fenomenal de 7,  ou 9 milhões  como falam, do dinheiro que SUS que bem aplicado poderia encurtar  a fila da morte do TFD.
Mais um pouco os camburões da polícia federal serão acionados.
Em 1º de janeiro, da escada do avião, o governador dará uma ¨banana¨ para os acreanos e irá curtir sua aposentadoria , que foi reajustada  para  26 mil reais.

14 de dez de 2010

CÂMARA ELEGE NOVA MESA DIRETORA PARA O BIÊNIO 2011/2012



Edmar é o novo Presidente da CMT
Estando a maioria do Vereadores desta Casa Legislativa presentes na Sessão Ordinária de hoje dia 14/12/2010 compôs-se democraticamente a Mesa Diretora para o próximo biênio 2011/2012. Os Vereadores presentes foram Raimundo Furtado, Ezi Aragão, Lulu Nery, Roberto Freire, Edmar Rodrigues e Valdor do Ó.

Como estavam presentes a maioria (2/3), portanto dentro da legalidade regimental, a Mesa ficou definida assim:

Presidente – Edmar Rodrigues de Lima
Vice-Presidente – Valdozinho Vieira do Ó
1º Secretário – Ezi Aragão do Nascimento Aragão
2º Secretário – Luzivaldo de Jesus Araújo (Lulu Nery), como é mais conhecido.

Edmar Rodrigues usou a Tribuna e teceu elogios a todos os que direta e indiretamente o ajudaram a ser o novo Presidente desta Casa.

Finalizou oferecendo votos de um Feliz Natal e um Próspero ano de 2011 a todos os munícipes de Tarauacá.

WWW.CAMARATARAUACA.COM.BR

13 de dez de 2010

PEGA NA MENTIRA, CORTA O RABO DELA.


Quando a mentira vira deboche!
Por Edinei Muniz

A imagem abaixo é uma das muitas espalhadas pelo governo do Acre para debochar e brincar com a inteligência do povo acreano.
Se fiz a leitura correta da imagem, ela tenta dizer mais ou menos assim: o Acre é o paraíso dos empregos, por isso é o melhor lugar para se viver na Amazônia.

Ofendido pela mentira, recorri ao CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados -, órgão ligado ao Ministério do Trabalho, e que, sem dúvidas, representa a base de dados mais segura do país quando o assunto são os empregos formais (com carteira assinada).
Os números revelam o seguinte: de janeiro de 2007 a outubro de 2010, a variação absoluta no nível de empregos formais no Acre foi de, acreditem, míseros 5,1%. O desempenho do Acre, repondo a verdade, é bem inferior ao da maioria dos estados da Região Norte.

Ora, se o Acre é o melhor lugar da Amazônia para se viver, é, também, o pior para arranjar emprego e, como uma coisa puxa a outra, o resto o amigo leitor já sabe.

6 de dez de 2010

PROPAGANDA ENGANOSA

Escrito por Luiz Calixto | 06 Dezembro 2010 

alt

Nem precisava o governo gastar uma fortuna em out door para dizer que o Acre " é o melhor lugar para se viver".
Disso todo mundo sabe.
Como diz a música popular " daqui não saio, daqui ninguém me tira".
Entretanto, a promessa do senhor governador Binho Marques não era assim,  digamos, tão genérica.
O compromisso firmado com o povo acreano  era de tornar o Estado no lugar onde os indicadores sócio-econômicos fossem os melhores da região norte.
Em 12 anos de gestões petistas, continuamos no "rabagéssimo" lugar em quase tudo.
É no Acre onde se encontra o maior número de pobres, o maior percentual de famílias em situação de insegurança alimentar, a mortalidade infantil é vergonhosa, o analfabetismo idem; a menor taxa de geração de emprego e a maior incidência de crianças morrendo de infecções e diarréia estão aos nossos olhos.
Sobre a produção agrícola e indistrial é desnecessário escrever.
Esperto, o governo se abraça covardemente numa frase com a qual 10 entre 10 acreanos concordam, para esconder-se do fracasso.

2 de dez de 2010

Realismo Socialista Parte X - Há o que comemorar?

Em 2007 comemorou- se o aniversário de 90 anos da Revolução Russa de 1917 e 40 anos da morte de Che Guevara na Bolívia. Os mitos e o idealismo dessas datas camuflam a mais assustadora criminalidade do século XX. 
Poder-se-ia dizer que o comunismo foi a pior e mais destruidora tragédia da história humana. Em números de mortos, supera o nazismo e demais guerras mundiais somadas. O golpe de Estado bolchevique de 1917 foi o prenúncio da devastação de um país: a Rússia no começo do século XX era um das nações mais ricas do mundo. Ao contrário da mitologia esquerdista, possuía um dos mais audaciosos sistemas de educação pública da época e ainda uma das maiores frotas comerciais do mundo. Um pouco antes da revolução, 50% da população russa já era alfabetizada, graças às reformas de Alexandre II, o mesmo que libertou os servos em 1861. Embora no país predominasse a população agrária, essa característica não era em si comum à Rússia, mas a vários países da Europa; a industrialização, financiada pelo capital francês, inglês, alemão e nacional, fazia germinar um país moderno e empresarial. Por outro lado, a Rússia era uma das maiores produtoras de cereais e alimentos do mundo, tendo seu recorde de safra em 1913, cálculo jamais superado pelo regime comunista. Há de conjecturar que, embora houvesse a cultura autocrática e repressiva do czarismo, a sociedade russa conheceu um esplendor intelectual inimaginável, nas figuras de escritores como Dostoievski e Tolstoi e músicos como Tchaikovski e Rachmaninov, entre outros. Sem contar uma verdadeira elite de cientistas, educadores, matemáticos e biólogos, gerados por esse esplendor.
No entanto, em 1917, toda essa realidade mudou. O que poderia ser o destino de uma nação potencialmente próspera acabou caindo no pesadelo mais profundo do totalitarismo. O bolchevismo conseguiu destruir completamente uma sociedade constituída. 
Massacrou os quadros intelectuais, econômicos, políticos e militares mais significativos da sociedade russa. Impôs terror, violência e destruição em todas as esferas da vida social. E conseguiu arruinar completamente um país. Comerciantes, intelectuais, administradores, aristocratas, matemáticos, empresários, profissionais liberais, proprietários de terras, clerigos, quase todos foram aniquilados pelo terror vermelho. Quando esses grupos sociais deixaram de existir, o terror se generalizou entre os operários e camponeses, ora assassinados, ora reduzidos a mais completa tirania. A matança indiscriminada da população se associou a mais completa criminalização da vida social. Milhões de pessoas foram presas e deportadas para os campos de concentração na Sibéria e em outros locais da União Soviética. 
Na verdade, milhões de pessoas foram usadas como mão de obra escrava, para sustentar a inépcia econômica do regime. A indústria nascente russa foi destruída, e a coletivização, junto com o massacre de milhões de camponeses pela fome, escasseou e esgotou a produção de alimentos. A Rússia, que no inicio do século XX exportava alimentos, hoje é uma importadora de comida. Graças a Lênin, que matou cinco milhões de camponeses de fome. Graças a Stalin, que matou outros seis milhões e desestruturou a agricultura russa, tornando-a completamente inócua.
Mas o bolchevismo não foi apenas um sistema de criminalidade, terror e destruição inaudita do povo russo. Ele devastou o Leste Europeu e massacrou os melhores quadros intelectuais, econômicos e políticos dos países ocupados. Espalhou seu veneno pela Ásia, África e América Latina, com o preço de miséria, opressão e homicídios em escala demencial. Imbecilizou o povo, tornando-o servil ao Partido e à sua ideologia estéril e sufocante. Exterminou a liberdade civil e política dos povos. Insuflou guerras, caos e revolta por onde passou. E como um sistema imperialista, expandiu a dominação e impôs despotismos em qualquer lugar por onde se estabeleceu. Foi, em suma, uma ameaça à civilização e as suas liberdades, uma ameaça de levar o mundo no século XX ao reino das trevas.
Impressionante é presumir que uma ideologia tão destrutiva e tão inspiradora de genocídios seja algo a inspirar os intelectuais. De fato, o bolchevismo é uma ideologia de intelectuais radicais, uma idealização que sacrifica a realidade ao plano da loucura. O simulacro de sofisticação em Marx, Lênin, Engels, Rosa e seus congêneres mais vulgares, como Mao Tse Tung e adjacências, não sobrevive ao peso da realidade. Porém, a intelectualidade se corrompeu: o século XX foi o século da mentira, o século da mentira e cumplicidade dos intelectuais. Raramente se mentiu tanto pela ideologia. E o socialismo foi capaz de falsificar a história e a realidade pela ideologia. O mito em torno da Revolução Russa é um emaranhado de falsificações. Mentiras e mais mentiras repetidas a exaustão, até que se tornem verdades sacralizadas. Daí a entender a tamanha popularidade de mito, ainda que a realidade denuncie os piores crimes.
E Che? Che Guevara é produto dessa mentira histórica, dessa cumplicidade criminosa dos intelectuais do século XX. O mito Che não sobrevive à realidade; ele é o contrário daquilo que representa. Em nome da liberdade, foi um defensor das piores e mais criminosas ditaduras, criador de campos de concentração e trabalhos forçados em Cuba. Prócer do idealismo e da vida faustosa, não passava de um fanático e um assassino em massa, executor sumário de centenas de inocentes. E para aqueles que idealizam a paz mundial, era um homem que acreditava na violência como resposta para todos os problemas do mundo. Se o movimento terrorista, com sua crença fanática na destruição como resposta para tudo, surgiu no niilismo russo e instaurou sua ação política de Estado na Revolução Russa, Che Guevara é a personificação do Netchiaev, do espírito do terrorista russo no militante latino-americano. Já havia precedentes para isso: a revolução francesa já tinha inaugurado o terror do Estado revolucionário, na ação dos jacobinos e suas guilhotinas, esses bolcheviques de perucas. Todavia, o moderno “terrorismo de Estado”, em sua escala monumental de violência, por assim dizer, é uma inovação comunista, já que o movimento comunista é, por definição, um movimento terrorista dentro e fora do poder.
Países economicamente arruinados, miserabilizados, indigentes; povos bestializados na servidão, na mentira, na estupidez e na ignorância, vítimas de uma ideologia nauseante em todas as esferas intelectuais, políticas e culturais da sociedade; regimes tirânicos, policialescos, traiçoeiros, destruidores dos laços morais e espirituais de solidariedade humana, na delação, no medo e no terror; assassinatos, expurgos, deportações em massa e milhões de cadáveres. Como diria um historiador, é o sacrifício do homem comum, verdadeiro, imperfeito, autêntico, pelo plastificado “homem novo” socialista, artificial, desumanizado, despersonalizado. Ou nas palavras de Nelson Rodrigues, uma “antipessoa”. No total, cem milhões de mortos em todo o mundo. Esse é o preço do comunismo em toda a história do século XX. Há o que comemorar? 
REALISMO SOCIALISTA

LOTEAMENTO

Escrito por Luiz Calixto | 02 Dezembro 2010 

A eleição da Mesa Diretora da Assembleia ainda dará muitas dores de cabeça a Tião Viana.
Ainda que sua base parlamentar seja extremamente obediente e sem topete para enfrentá-lo, a engenharia não deixa de ser complicada.
Ao todo são sete cargos para 18 pretendentes.
Nenhum deles abrirá mão da disputa sem antes ter uma "conversinha de pé de ouvido" com o governador para receber deste o pedido e, consequentemente, fazer outro.
No barato, a fatura desta eleição não sairá por menos de  50 DAS.

PELAS BEIRADAS

Escrito por Luiz Calixto | 01 Dezembro 2010

As fotos abaixo são do Parque Buritizal, em Feíjó.
Para animar o evento da inauguração o governo petista contratou a peso de ouro o "cantor nacional" Léo Magalhães.
A versão do jornalismo chapa branca mostra apenas a parte que interessa.
As beiradas, por onde os esgotos correm e contaminam, são escondidas.
Construído no entorno da antiga pista de pouso, esta fase da obra custou cerca de 3 milhões de reais e é apresentada pelos petista como o canal da maternidade dos feijoenses.
As fotos são do blog radiofmfeijo.

30 de nov de 2010

GATO POR LEBRE

Blog do Luiz Calixto 

O prazo expirou-se e seria muito interessante se o governo petista divulgasse a relação das empresas que se habilitaram para a Zona de Processamento de Exportações-ZPE.
Vale salientar que nenhuma ZPE está em funcionamento  no Brasil e o decreto  para o seu funcionamento é por prazo limitado.
Como o mote da campanha de Tião Viana  fora a industrialização, essa informação é importante e  deveria ser compartilhada.
Sem suprimento de energia segura e de qualidade, duvido que alguma empresa de bons propósitos se instale no parque.
Alías, por falar em promessas, o santo povo acreano está até a tampa com elas.
Jorge prometeu saúde de primeiro mundo, 40 mil empregos e segurança confiável.
Falhou em todos.
Binho disse que iria fazer do Acre o melhor local para se viver e  concluir a BR-364.
Não fez nenhum nem outro.
No rastro deles, Tião Viana renovou o estoque da prateleira de  expectativas prometendo calçar, com tijolos ,as ruas de todos os municípios  e industrializar o Acre.
Prepare-se para mais uma decepção.
Se o governador eleito tiver esperando  pelos empresários parasitas da Federação da Indústria para tirar do papel o seu compromisso, pode cuidar de tirar o cavalinho da chuva.
Salvo rarríssimas exceções essa turminha de sempre gosta mesmo é de uma "obrinha" superfaturada e uma "mamatinha" sem risco.
Mas não é por falta de incentivo que o estado não deslancha:
Pouca gente sabe que das 9 Zonas de Livre Comércio existentes no Brasil 3 são instaladas no Acre e nehuma delas rendeu ainda benefícios para os acreanos.
Servem por enquanto, apenas para grandes trambiques de sonegação fiscal.  

25 de nov de 2010

VOU ACOMPANHAR COM MUITA ATENÇÃO

Deputado Tchê pode se unir com oposição para enfrentar governo da floresta na eleição da Mesa Diretora da Aleac


A determinação é do Ministro do Trabalho, Carlos Lupi [presidente nacional do PDT], que em nível nacional garantiu manter a fidelidade ao governo da presidenta eleita, Dilma Rousseff, mas que em reunião de planejamento e avaliação das eleições, com a participação da regional do Acre, exigiu o fortalecimento da sigla. O anúncio esquenta a briga de composição da nova Mesa Diretora da Aleac.
- No entendimento de Lupi, no Acre esse fortalecimento passa por uma eleição na Assembléia Legislativa, diante disso, estamos apresentando oficialmente, o nome do deputado Tchê, para presidência da Aleac – disse Edilberto Saraiva, presidente do partido.
Saraiva participou da reunião junto com o deputado Tchê, durante cerimônia de inauguração do Centro de Referência Leonel Brizola. O líder do partido no Acre garantiu que o Conselho Político da Frente Popular sabe da decisão da executiva nacional. Para ele, o partido não está sendo infiel à coligação, “brigamos apenas pelo nosso espaço”, assegurou.
- No conselho ficou assegurado aos partidos a indicação de nomes para concorrer à mesa diretora, estamos cumprindo nosso papel, fortalecidos por uma decisão nacional – acrescentou Saraiva.
O deputado Tchê evitou falar sobre o assunto. Disse apenas que é um soldado da Frente Popular. Quem também não fala sobre presidência é o deputado estadual Helder Paiva (PR).
Essa semana, um assessor de Tião Viana que pediu para não ser identificado, revelou que apesar de ser interesse de Tião Viana [com o aval de Edvaldo Magalhães] o deputado Moisés Diniz já mandou recado dizendo que não aceita ser líder do governo na Aleac e que terá uma postura mais independente no legislativo. O nome comunista é um dos citados como potencial candidato a presidência, mas para realizar tal façanha, precisa vencer uma briga interna com o deputado eleito Eduardo Farias.
A indicação de Tchê pela executiva nacional do seu partido aquece a briga na Aleac. Jornalistas políticos não descartavam ontem pela manhã, uma composição de Tchê (PDT) com a oposição, que tem oito votos, numa rebelião de partidos da frente: PSDC e PRP.

Jairo Carioca – da redação de ac24horas

24 de nov de 2010

Vereadores preparam Audiência Pública de amanhã dia 25


Os Vereadores da Câmara Municipal de Tarauacá preparam hoje 24/11 a Audiência Pública sobre Segurança Pública que se realizará amanhã nesta Casa. A mesma contará com a participação de autoridades e sociedade civil organizada.


Os Vereadores acreditam que desse movimento sairão metas para o combate a criminalidade e consequente diminuição da violência no município.


CÂMARA MUNICIPAL DE TARAUACÁ

MENTIRA TEM PERNAS CURTAS.

Escrito por Luiz Calixto | 23 Novembro 2010
 
Os petistas continuam semeando fuxicos insinuando que Sergio Petecão, senador eleito pela oposição, será seduzido pelo governo para integrar a base alugada de  Dilma Roussef.
Na última conversa que tivemos o senador afirmou que " estava ficando velho e não ficando doido".
A imagem é uma recorte da coluna Painel, da Folha da São Paulo de hoje, 23.

17 de nov de 2010

DANDO CONTINUAÇÃO AO DESPERDÍCIO...

O que o pessoal do PT sabe fazer bem, é desperdiçar dinheiro público, e vesse foi um dos motivos que me fez repensar sobre o partido, até ser expulso.


Veja nas fotos mais esse exemplo. Em uma suposta contenção. O que vai dentro desses sacos é cimento. 

Essas fotos são para “consertar” a rampa de papelim que eles fizeram há pouco tempo. Quando o rio encher vai cimento com saco e tudo. 






16 de nov de 2010

Sonhos e desilusões de quem vive ao longo da BR 364

Há quatro décadas, no dia 2 de fevereiro de 1960, em meio a uma reunião com os governadores dos estados do norte, o Presidente Juscelino Kubitschek decidiu construir a então BR-364 ligando Cuiabá à Porto Velho e Rio Branco, abrindo o oeste brasileiro. Antes, para chegar em Porto Velho só era possível através de trem pela Estrada de Ferro Madeira-Mamoré a partir de Guajará-Mirim, de balsa a partir de Manaus ou de avião. O transporte rodoviário era inexistente.

40 anos depois, essa realidade ainda é enfrentada pelos moradores de Cruzeiro do Sul. Hoje (14), até mesmo a comunidade de Manoel Urbano, município localizado na região do Purus está isolada. Vencer os desafios da rodovia entre o km 45 ao 60, trecho contratado pela empresa ETAM, tem sido uma rotina na vida de caminhoneiros que ainda se aventuram nesta época do ano para deixar mercadoria mais barata aos comerciantes ao longo da BR.

- Nós temos 12 caminhões esperando a estiagem do tempo para irem até Cruzeiro do Sul, mas hoje a estrada está fechada – informou José Carlos, gerente do Deracre em Sena Madureira.

Doze anos depois, a maior promessa política da Frente Popular do Acre, continua sendo a conclusão das obras da BR 364. O tema foi um dos principais debates da disputa eleitoral deste ano e a vitória do candidato Tião Viana em todos os municípios às margens da rodovia, lhe garantiu a eleição para governar o Estado por mais 4 anos. Com ela, a promessa de milagre econômico para quem vive isolado no período de novembro à junho todos os anos.

Na conclusão do governo de Binho Marques, a revelação de mais de 1 bilhão de reais que estão sendo investidos na construção da BR foram publicadas em harmônico relatório do Tribunal de Contas da União, que apresenta como contrapartida ao sonho de milhares de acreanos, o superfaturamento de mais de R$ 30 milhões nos preços contratados por Jorge Viana [PT] e Binho Marques [PT], durante 12 anos de execução da rodovia.

Entre as irregularidades contratadas, estão a Execução de serviços com qualidade deficiente, sobrepreço, superfaturamento e o mais grave: pagamento de serviços não realizados, um crime que antes era condenado pelas administrações petistas. O Governo do Estado, segundo o relatório, descumpriu determinação exarada pelo TCU e continua executando  serviços com qualidade deficiente.

Dos R$ 500 milhões gastos somente com a construção de pontes, uma delas a do Rio Caeté, teve um das pilastras comprometidas e foi interditada. A ponte foi construída no km 10 da BR 364, no trecho entre Sena Madureira e Manoel Urbano. O governo impediu que uma CPI fosse criada na Assembléia Legislativa e até hoje, não deu explicações públicas sobre os reais motivos que levaram o comprometimento da obra. A ridícula justificativa de que um terremoto teria abalado a estrtura da ponte virou motivo de piada na Assembléia Legislativa do Acre.

A BR 364 segundo a equipe de transição do governador eleito Tião Viana (PT), será uma das prioridades. Mas segundo técnicos e engenheiros que trabalham nos trechos, a rodovia dificilmente será concluída em 2011, como garante o governo.

- As condições climáticas é que vão determinar o dia em que a rodovia será fechada definitivamente – garantiu José Carlos.

A idéia é permitir o tráfego até o município de Feijó e manter o trânsito de caminhões até o município de Manoel Urbano [se o dinheiro continuar sendo liberado], diminuindo assim, o sofrimento e o isolamento de milhares de famílias. Segundo Túlio Oliveira, caminhoneiro experiente que conhece o trecho na palma da mão, uma viagem com chuva na região, pode significar atrasos de até 72 horas.

Três mil e quinhentos homens trabalham nos trechos contratados através de 10 Planos de Trabalho. Ao todo são 1.400 máquinas em toda região.

Jairo Carioca – da redação de ac24horas
Js.carioca@hotmail.com
Rio Branco, Acre

11 de nov de 2010

TARAUACÁ RECEBERÁ HOJE MÁRCIO BITTAR, O DEPUTADO FEDERAL MAIS VOTADO NO ACRE

Estará hoje às 19:00Hs na Câmara Municipal de Tarauacá o Deputado Federal mais votado do Acre, nosso querido Márcio Bittar. 
Márcio Bittar vem agradecer os votos que teve aqui em Tarauacá incluindo os destinados a Serra e Bocalom, e também trazer uma palavra de conforto para a população tarauacaense.

Boçalidade sem limites


“Quando há crise nos países ricos não tem ninguém dando palpites de como resolverem o problema. Então, eu estou dando um palpite: façam como se faz no Brasil que as coisas ficam mais fáceis.”

Do presidente Lula, o cara, ao referir-se à declaração de Barack Obama, segundo a qual "o que é bom para os Estados Unidos é bom para o mundo".


Archibaldo Antunes

8 de nov de 2010

Lições a Lula


Entrevistado pela revista Veja (edição do dia 3), Fernando Henrique Cardoso é perguntado se de fato existe rivalidade entre ele e o presidente Lula. Resposta de FHC:

"Da minha parte, garanto que não. Da do Lula, parece existir tal rivalidade. Não sei por que ele insiste tanto em comparar-se a mim. Nessa última campanha, por exemplo, falaram o diabo do meu governo, embora eu não fosse candidato. E eu não tenho direito de defesa, veja só! O Lula não precisava de nada disso. Para mostrar o que fez, ele não tem necessidade de tentar desfazer as conquistas do outro. Até porque ele deu continuidade a políticas do meu governo e acrescentou aspectos positivos a elas. O Lula, por exemplo, manejou bem o timão durante a última crise econômica, mas não foi ele quem estabilizou o país. Ele também não criou os programas sociais, mas os expandiu. Fez a sua parte? Fez. Então, por que tentar cancelar o passado e dizer que o Brasil nasceu no seu governo? O Lula não necessita disso como político. O que me leva a pensar que, de fato, ele tem um problema de ordem psicológica em relação a mim..."

Concluo

Não apenas Lula tem problemas de ordem psicológica em relação a FHC como os petralhas em geral parecem ter somatizado alguns traumas incuráveis sobre o tema. Oly Duarte, atual assessor de comunicação da Prefeitura de Rio Branco, certa feita me desafiou com algo do tipo: "Lula é o maior líder político do Brasil. Quem é Fernando Henrique Cardoso perto dele?".

Minha resposta calou o petralhinha: "É aquele que derrotou Lula duas vezes consecutivas na disputa pela Presidência da República, e ambas no primeiro turno". 
 

3 comentários:

4 de nov de 2010

O QUE ELES DIRÃO A LULA?


O governador eleito do Acre, Tião Viana, PT, não terá vida fácil pela frente, apesar de a presidente da república ser do seu partido. É que no Acre, Dilma Rousseff não conseguiu bater o tucano José Serra e teve, na terra de Galvez, uma derrota esmagadora: 69% rejeitaram a afilhada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

E o que dirão os irmãos Viana no Planalto Central?

Eles não podem nem culpar a senadora Marina Silva, que mesmo por debaixo dos panos apoiava a dama de ferro petista. Também não poderão culpar o tempo, pois o domingo [dia da eleição do 2º turno] foi nublado sem pancada de chuvas em todo território acreano.

A bem da verdade eles terão que admitir, mesmo a contra-gosto, que o povo se cansou do PT e que a rejeição é fruto da fadiga do poder que o PT e aliados detém há 12 anos no Acre.

Nos dois turnos, Serra só perdeu em um município e por outro lado, em todos os municípios administrados por companheiros de Dilma, serra foi vitorioso. Vale ressaltar que na capital do Estado, administrada pelo Prefeito reeleito Raimundo Angelim,PT, foi onde Serra conseguiu sua maior votação nominal. No primeiro turno Serra obteve 48% dos votos, no segundo passou de 73%, enquanto que Dilma encolheu de 36% para 27%. Os números de Rio Branco, sugerem que os votos dados para Marina no primeiro turno migraram para o Tucano e uma grande parcela de eleitores que votaram em Dilma, optaram em mudar o voto para Serra.

A maior diferença de votos aconteceu no colégio eleitoral de Porto Acre que é administrada pelo festejado Prefeito José Maria do PT. No primeiro turno Serra obteve mais de 72% dos votos e no segundo a vantagem aumentou para mais de 80% contra míseros 19% dados para Dilma. Essa diferença pode ter sido a mais elástica em favor do candidato derrotado Jose Serra 80,33% x 19,67% em todo Brasil. Uma das razões para essa diferença ter aumentado tanto, foi que o prefeito Zé Maria a pedido de Jorge Viana, (zangado por ter perdido para Petecão e João Correia no primeiro turno para o senado), teria pedido para que o prefeito não fizesse mais campanha para a Dilma. O tiro saiu pela culatra literalmente e a diferença em favor do Tucano sem “o grande Zé” aumentou.

Em Capixaba, onde Jorge Viana também perdeu para a dupla Petecão, PMN, e João Correia, PMDB, Serra também ampliou sua vantagem do primeiro para o segundo turno passando de 71% para quase 80%, enquanto que Dilma ficou com pouco mais de 20%.

Em Senador Guiomar, onde a prefeitura é administrada por um Tucano e Acrelândia terra do candidato derrotado ao governo Tião Bocalom, José Serra deu um verdadeiro passeio em Dilma com mais de 70% dos votos contra pouco mais de 20% de Dilma.

Vejam o quadro comparativo abaixo e faça você mesmo as suas conclusões do recado que o povo do Acre deu para a classe política. Lembre-se que uma eleição majoritária de segundo turno, livre das pressões dos candidatos e cabos eleitorais dos proporcionais, é muito mais livre e reflete a vontade real do povo.

Parabéns para nossa democracia!

AC 24 Hs

1 de nov de 2010

Eleitor acreano diz "NÃO" para Tião Viana (PT)


00 hora de 24 de junho de 2008. Dois anos e quatro meses depois de ajustar o ponteiro dos relógios em uma hora e praticamente um mês depois das eleições do primeiro turno no Acre, Tião Viana (PT) foi reprovado no primeiro teste de aceitação popular. Seu projeto de alteração da Hora Oficial do Acre, diminuindo a diferença de Brasília foi derrotado nas urnas no Segundo Turno com larga margem de rejeição. Até as 21h45, foram 178.856 votos pelo NÃO e 136.170 votos pelo SIM. Com 96% das urnas apuradas, a diferença de 42 mil votos garantiu a volta do antigo fuso.

Para analistas políticos consultados pelo ac24horas, o fato explica o baixo desempenho da Frente Popular do Acre e mostram que se o plebiscito acontecesse como projetado, um mês antes, talvez o resultado das eleições estaduais fosse desfavorável ao petista.

A mudança foi defendida no Congresso Nacional pelo senador Tião Viana (PT), por meio da lei nº 11.662, de 24 de abril de 2008. Segundo ele, a mudança da lei corrige um erro histórico que durou mais de 90 anos. O parlamentar se esqueceu de consultar a sociedade acreana. 

A verdadeira correção histórica viria através da intervenção feita pelos deputados federais Flaviano Melo (PMDB) e Sérgio Petecão (PMN) que conseguiram aprovar no Congresso Nacional [mesmo diante de manobras partidárias lideradas por Nilson Mourão (PT)], o projeto para assegurar ao acreano a participação democrática no referendo e, assim, decidir sobre um assunto que interferiu diretamente no seu cotidiano.

Após as eleições do primeiro turno, campanhas institucionais encabeçadas por comitês do SIM (55) e NÃO (77), passaram a ser divulgadas na mídia, estimulando a sociedade a responder a seguinte pergunta: "Você é a favor da recente alteração do horário legal promovida no seu estado?"

Não deu outra, o povo acreano decidiu pela volta do que chamam de “horário de Deus”. O resultado, matematicamente garantiu a vitória dos eleitores que optaram pelo retorno do antigo fuso horário.

Por telefone, o ac24horas conseguiu falar com o senador eleito Sérgio Petecão (PMN), que estava em Porto Velho, esperando para embarcar com destino à Brasília. O senador eleito disse que valeu o esforço do deputado federal Flaviano Melo.

- A vontade do povo é a vontade de Deus – comentou Petecão. O povo do Acre demonstra com essa decisão, que deseja mudança. Valeu o esforço do deputado federal Flaviano Melo que dá uma lição de democracia. O povo do Acre merece mais respeito – acrescentou o parlamentar.

Para Missias Lopes, coordenador do grupo do "não", "o princípio da democracia não foi respeitado" na época da mudança. Ele diz também que estudantes e trabalhadores foram prejudicados porque saem de manhã ainda no escuro.  O grupo apontava ainda a hipótese de que a mudança quis ajudar emissoras de TV. Desde 2007, por decisão do Ministério da Justiça, as redes devem respeitar a classificação indicativa de horário de acordo com cada faixa etária.

Acreanos ainda vão esperar mais um pouco para terem horário de volta

Após a divulgação do resultado oficial, que deve acontecer somente na segunda-feira (01), o Tribunal Regional Eleitoral envia a decisão para o Congresso Nacional que deve obedecer a prazos legais para restabelecer o fuso horário escolhido pelo povo do Acre.

Jairo Carioca - da redação de ac24horas
js.carioca@hotmail.com
Rio Branco, Acre.

Serra vence no Acre, com 69% dos votos válidos

O candidato a presidente, José Serra perdeu as eleições para presidente do Brasil, mas não tem o que reclamar do eleitorado acreano.
O Acre melhorou o desempenho de votação com relação ao primeiro turno [52.5%] e deu ao tucano mais uma vez, a maior votação proporcional entre os Estados, com 69% dos votos, contra 30% de Dilma Rousseff (PT).

Para o ex-candidato ao governo, Tião Bocalon (PSDB), “o povo mostrou definitivamente que não quer mais o modelo petista de governar o Acre”. Bocalon disse que a votação de Serra é do 45.

- O acreano vota 45 com convicção. Infelizmente, o uso da máquina pública, as mentiras do Ibope e a chuva, foram fundamentais para não ganharmos o governo. Mas saímos super fortalecidos desse processo – analisou Bocalon.

Em Rio Branco, onde veio votar, Bocalon disse que o resultado do referendo já era esperado e que agora, resta torcer para que os eleitos desenvolvam um bom trabalho para a população do Estado e do Brasil.

O presidenciável tucano venceu em 21 municípios do Estado. Em Rio Branco, Santa Rosa do Purus e Brasiléia, sua votação ultrapassou 72% dos votos válidos. Confira o mapa completo dos municípios do Acre aqui.

Jairo Carioca – da redação de ac24horas
Js.carioca@hotmail.com
Rio Branco, Acre.

Clique aqui para ver a derrota de Dilma em Tarauacá também.  53,35% contra 46.65%.

27 de out de 2010

Com a pior das intenções

No dia 24 de julho registrei, na coluna Prisma, do site agazeta.net, o entusiasmo chauvinista do governador Binho Marques, ao falar da Expoacre 2010: "Ela mostra como é pulsante a economia do Acre”, disse ele a jornalistas, num arroubo de satisfação ante a miragem de que vivemos no melhor lugar da Amazônia.



Eis que hoje, porém, a humildade e o bom senso bateram à porta dos petralhas. Às vésperas de uma eleição que pode mudar de uma vez por todas o destino da Frente Popular do Acre, o senador sem votos Aníbal Diniz resolveu contar a verdade sobre a realidade acreana:


Mesmo os que votaram na Marina ou no Serra no primeiro turno agora têm a chance de votar na Dilma porque ela é o melhor para o Acre. Nós dizemos isso porque a dependência do Acre do governo federal ainda é muito grande..."


Sem o dinheiro que vem de Brasília, seríamos os primos pobres dos haitianos. Assim mesmo, o ex-governador Jorge Viana teve o desplante de dizer outro dia que ajudamos a sustentar o Estado de São Paulo.


Para essa gente, a mentira é uma arma poderosa. E até quando elles dizem uma verdade incontestável, o fazem com a pior das intenções.


Archibaldo Antunes

26 de out de 2010

No Acre, Bocalom representa contra candidatura petista

Tião Bocalon (AC)/Foto: Paula Sholl

 
Tião Bocalon (AC)/Foto: Paula Sholl
Ações afirmam que atual governador teria feito propaganda eleitoral ilícita

Brasília – A coligação do candidato do PSDB ao governo do Acre, Tião Bocalom, protocolou três representações no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) pedindo a investigação de suposto abuso de poder e uso da máquina pública por parte da Coligação Frente Popular. De acordo com as ações, o governador petista Binho Marques fez “propaganda eleitoral ilícita” em favor das candidaturas do governador eleito Tião Viana (PT), e dos senadores eleitos Jorge Viana (PT) e Edivaldo Magalhães (PCdoB).

As representações alegam que, em matérias veiculadas pela imprensa local, Marques aparece mostrando os resultados do programa de habitação “Minha Morada”, sobrevoando o estado a bordo de helicóptero do governo local. Segundo Bocalom, o noticiário é uma resposta ao questionamento levantado durante a campanha eleitoral. Em seu programa gratuito de rádio e televisão, o tucano perguntava onde estavam as 10 mil casas prometidas pelos petistas, que, em doze anos comandando o estado, pouco fizeram para melhorar a infraestrutura.

As reportagens afirmam “que três mil casas, em fase de término, serão entregues até o final do ano pelo atual governador”. Segundo as representações protocoladas na Justiça Eleitoral, “trata-se de claríssima propaganda eleitoral ilícita”. Isso porque a legislação, nos três meses antecedentes às eleições, proíbe a autorização de “publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais”.

Diante desses fatos, as representações pedem a aplicação de multa ao atual governador e o ressarcimento aos cofres estaduais referentes às despesas com a publicação “ilegal em discussão”, e pede a inelegibilidade do petista pelos próximos três anos. E, por último, solicita que os eleitos Tião Viana, Jorge Viana e Edivaldo Magalhães não sejam diplomados. Bocalom, que concorreu contra Tião Viana, contrariou todas as pesquisas de intenção de votos. Em uma disputa acirrada, ele ficou com 49,18% dos votos válidos; o petista, com 50,51%.

19 de out de 2010

SATISFAÇÃO SOBRE A AUSÊNCIA DE SESSÕES DURANTE A CAMPANHA


Alguns “ilustres” e derrotados adversários políticos andam falando que eu sou o culpado por não ter havido Sessões durante a campanha política que até então passamos.


Gostaria de esclarecer que na reunião que foi decidiu isso, o Vereador Luiz Meleiro, do PC do B estava ausente, pois já tinha viajado para o seringal, fazendo campanha para seu candidato.

O Outro Vereador do PC do B Manoel Monteiro, não estava na reunião, porém quando foi comunicado concordou.

Outros que concordaram:

Ezi Aragão - PT
Lulu Nery - PP
Roberto Freire - PP
Raimundo Furtado - PP
Edmar Rodrigues – PMDB
Francisco Feitosa Batista - PDT


18 de out de 2010

Para grupo de indecisos, Serra venceu debate Folha/RedeTV!


DE SÃO PAULO 
Para um grupo de 27 eleitores convidados a avaliar o debate minuto a minuto a convite da Folha e da RedeTV!, o candidato José Serra (PSDB) teve desempenho melhor que Dilma Rousseff (PT).

No início do programa, os avaliadores se dividiam assim: 23 indecisos, dois dispostos a votar em Serra e outros dois em Dilma.

Ao fim do debate, Serra tinha 14 votos, Dilma contava outros seis, e sete eleitores permaneciam indecisos.

O resultado acompanha a avaliação do desempenho de cada um: 14 acharam Serra melhor, e outros seis preferiram Dilma.

A avaliação reproduziu os métodos usados pelas duas campanhas para avaliar o desempenho de seus candidatos.

Os convidados assistiram à transmissão do debate num telão e receberam controles remotos para dar notas de 0 a 100 a cada resposta.

A avaliação foi promovida pela empresa Interativa, que opera o sistema "view facts".

Fonte: Blog do Archibaldo Antunes/folha on line

CHANTAGEM NUNCA MAIS

Não passa de chantagem eleitoral rasteira essa matéria plantada nas páginas do jornal A TRIBUNA, segundo a qual a continuidade das obras no Acre estaria condicionada à vitória de Dilma Rousef no segundo turno.
Com menos de 0, 2% da população nacional votante, um resultado favorável no Acre serviria apenas para amenizar a desmoralização dos Vianas diante da direção nacional do PT, uma vez que no primeiro tempo a candidata petista amargou um humilhante "rabagésimo" lugar.
Enquanto o PT não deixar de lado essas chantagens, estará contribuindo para o desgaste acelerado do reinado e  para o bom desempenho da oposição.
O povo acrenano não é tolo ao ponto de acreditar nessas bobagens.
O grupinho de empreiteiros quebrados, gulosos e interesseiros se encarregam de espalhar a boataria.
Aliás, essa panelinha se prestaria a esse desonroso serviço sujo para qualquer governo por uma questão de sobrevivência e natural subserviência..  
Eleito, o estadista José Serra tratará o Acre sem quaisquer discriminações e de forma republicana, sem chantagens, como fizera FHC com Jorge Viana, e este, em raros momentos de lucidez, reconhece.
O máximo que pode acontecer com alguns deles é ter de acertar as contas com  a justiça por conta de desvios e superfaturamentos.
Blog do Calixto

14 de out de 2010

Sem medo do passado

Fernando Henrique Cardoso - O Estadao de S.Paulo

O presidente Lula passa por momentos de euforia que o levam a inventar inimigos e enunciar inverdades. Para ganhar sua guerra imaginária distorce o ocorrido no governo do antecessor, autoglorifica-se na comparação e sugere que se a oposição ganhar será o caos. Por trás dessas bravatas estão o personalismo e o fantasma da intolerância: só eu e os meus somos capazes de tanta glória. Houve quem dissesse: "O Estado sou eu." Lula dirá: "O Brasil sou eu!" Ecos de um autoritarismo mais chegado à direita.

Lamento que Lula se deixe contaminar por impulsos tão toscos e perigosos. Ele possui méritos de sobra para defender a candidatura que queira. Deu passos adiante no que fora plantado por seus antecessores. Para que, então, baixar o nível da política à dissimulação e à mentira?

A estratégia do petismo-lulista é simples: desconstruir o inimigo principal, o PSDB e FHC (muita honra para um pobre marquês...). Por que seríamos o inimigo principal? Porque podemos ganhar as eleições. Como desconstruir o inimigo? Negando o que de bom foi feito e apossando-se de tudo o que dele herdaram como se deles sempre tivesse sido. Onde está a política mais consciente e benéfica para todos? No ralo.

Na campanha haverá um mote - o governo do PSDB foi "neoliberal" - e dois alvos principais: a privatização das estatais e a suposta inação na área social. Os dados dizem outra coisa. Mas os dados, ora, os dados... O que conta é repetir a versão conveniente. Há três semanas Lula disse que recebeu um governo estagnado, sem plano de desenvolvimento. Esqueceu-se da estabilidade da moeda, da Lei de Responsabilidade Fiscal, da recuperação do BNDES, da modernização da Petrobrás, que triplicou a produção depois do fim do monopólio e, premida pela competição e beneficiada pela flexibilidade, chegou à descoberta do pré-sal. Esqueceu-se do fortalecimento do Banco do Brasil, capitalizado com mais de R$ 6 bilhões, e junto com a Caixa Econômica, libertados da politicagem e recuperados para a execução de políticas de Estado. Esqueceu-se dos investimentos do Programa Avança Brasil, que, com menos alarde e mais eficiência que o PAC, permitiu concluir um número maior de obras essenciais ao País. Esqueceu-se dos ganhos que a privatização do sistema Telebrás trouxe para o povo brasileiro, com a democratização do acesso à internet e aos celulares, do fato de que a Vale privatizada paga mais impostos ao governo do que este jamais recebeu em dividendos quando a empresa era estatal, de que a Embraer, hoje orgulho nacional, só pôde dar o salto que deu depois de privatizada, de que essas empresas continuam em mãos brasileiras, gerando empregos e desenvolvimento no País.

Esqueceu-se de que o País pagou um custo alto por anos de "bravata" do PT e dele próprio. Esqueceu-se de sua responsabilidade e de seu partido pelo temor que tomou conta dos mercados em 2002, quando fomos obrigados a pedir socorro ao FMI - com aval de Lula, diga-se - para que houvesse um colchão de reservas no início do governo seguinte. Esqueceu-se de que foi esse temor que atiçou a inflação e levou seu governo a elevar o superávit primário e os juros às nuvens em 2003, para comprar a confiança dos mercados, mesmo que à custa de tudo o que haviam pregado, ele e seu partido, nos anos anteriores.

Os exemplos são inúmeros para desmontar o espantalho petista sobre o suposto "neoliberalismo" peessedebista. Alguns vêm do próprio campo petista. Vejam o que disse o atual presidente do partido, José Eduardo Dutra, ex-presidente da Petrobrás, citado por Adriano Pires no Brasil Econômico de 13/1: "Se eu voltar ao parlamento e tiver uma emenda propondo a situação anterior (monopólio), voto contra. Quando foi quebrado o monopólio, a Petrobrás produzia 600 mil barris por dia e tinha 6 milhões de barris de reservas. Dez anos depois produz 1,8 milhão por dia, tem reservas de 13 bilhões. Venceu a realidade, que muitas vezes é bem diferente da idealização que a gente faz dela."

O outro alvo da distorção petista se refere à insensibilidade social de quem só se preocuparia com a economia. Os fatos são diferentes: com o real, a população pobre diminuiu de 35% para 28% do total. A pobreza continuou caindo, com alguma oscilação, até atingir 18% em 2007, fruto do efeito acumulado de políticas sociais e econômicas, entre elas o aumento do salário mínimo. De 1995 a 2002 houve um aumento real de 47,4%; de 2003 a 2009, de 49,5%. O rendimento médio mensal dos trabalhadores, descontada a inflação, não cresceu espetacularmente no período, salvo entre 1993 e 1997, quando saltou de R$ 800 para aproximadamente R$ 1.200. Hoje se encontra abaixo do nível alcançado nos anos iniciais do Plano Real.

Por fim, os programas de transferência direta de renda (hoje Bolsa-Família), vendidos como uma exclusividade deste governo. Na verdade, eles começaram num município (Campinas) e no Distrito Federal, estenderam-se para Estados (Goiás) e ganharam abrangência nacional em meu governo. O Bolsa-Escola atingiu cerca de 5 milhões de famílias, às quais o governo atual juntou outros 6 milhões, já com o nome de Bolsa-Família, englobando numa só bolsa os programas anteriores.

É mentira, portanto, dizer que o PSDB "não olhou para o social". Não apenas olhou como fez e fez muito nessa área: o SUS saiu do papel para a realidade; o programa da aids tornou-se referência mundial; viabilizamos os medicamentos genéricos, sem temor às multinacionais; as equipes de Saúde da Família, pouco mais de 300 em 1994, tornaram-se mais de 16 mil em 2002; o programa Toda Criança na Escola trouxe para o ensino fundamental quase 100% das crianças de 7 a 14 anos. Foi também no governo do PSDB que se pôs em prática a política que assiste hoje mais de 3 milhões de idosos e deficientes (em 1996 eram apenas 300 mil).

Eleições não se ganham com o retrovisor. O eleitor vota em quem confia e lhe abre um horizonte de esperanças. Mas se o lulismo quiser comparar, sem mentir e sem descontextualizar, a briga é boa. Nada a temer.

Fernando Henrique Cardoso, sociólogo, foi presidente da República 

O Estadão