24 de out de 2011

EMPATOU

Escrito por Luiz Calixto | 24 Outubro 2011

Os petistas acreanos estão mais alegres que pinto em beira de cerca com esse inferno astral vivenciado pelo parceiro PCdoB.
Os petistas têm entalado na garganta um carroço chamado mensalão, que os impede de falar de honestidade e decência, e até então o PCdoB estava virgem.
Com a roubalhera no Ministério dos Esportes, o jogo emboluou.
Tem ladrao nos dois lados e ninguém pode falar de ninguém.

20 de out de 2011

BRUNO SEM MARRONE

Escrito por Luiz Calixto | 20 Outubro 2011
50 dias após a assinatura do contrato, o governo petista divulgou o preço do show da ¨dupla¨ Bruno sem Marrone, na abertura da Expojuruá, em Cruzeiro do Sul.
Como o Acre tudo termina em festa, o governo do povo do PT desembolsou 330 mil pela apresentação solitária e desenchavida  de Bruno.
Atirando com a pólvora dos outros, o mesmo governo que nega aumento digno para os servidores públicos e deixa faltar insulina na rede pública de saúde, é o mesmo que torrou mais de 20 milhões de reais em duas exposições, cujo resultado final deixou apenas a ressaca.
A estratégia de retardar a divulgação dos gastos tem a finalidade de esfriar as críticas.

18 de out de 2011

PAPEL PEGA TUDO

A imprensa está caindo de pau em cima do deputado Major Rocha, por este ter assinado, como testemunha, o contrato de fixação de preços entre os comunitários da Reserva do Antyimary e o governo do Estado.
Segundo o governo, por ter subscrevido o tal  documento o deputado é tão ¨criminoso¨ quanto este no trato das questões.
Ora, uma testemunha, ou qualquer coisa equivalente, não é parte ativa do contrato e seu testemunho não a compromente em caso de descumprimento das obrigações assumidas entre as partes.
Como diz no ditado popular, ¨papel cabe tudo¨ e o problema reside exatamente ai.
No papel o governo e as empresa se comprometem a seguir rigorosamente as indicações técnicas previstas no manejo florestal.
Em documento eles se comprometem a pagar preço justo pela madeira a ser explorada; a não entupir a passagem dos igarapés; a não destruir os poucos ramais existentes; a não derrubar árvores cujos frutos sirvam de alimentação da fauna silvestre como a Copaiba, Breu, Caxinguba, entre outras, e a respeitar o diâmetro mínimo das árvores catalogadas.
Na prática, fazem exatamente o contrário e o pátio das serrarias estão a comprovar isso.
Portanto, a assinatura do deputado Major não o obriga a compactuar com  o descumprimento das cláusulas.

6 de out de 2011

NOS STATES

Escrito por Luiz Calixto | 04 Outubro 2011

Petecão participa de Assembleia Geral da ONU, em NY

Brasília - O senador Sérgio Petecão(PSD) viaja esta quarta-feira(5) para Nova Iorque (EUA) a fim de  participar como observador  parlamentar da 66º Assembleia Geral das Nações Unidas. Ao lado dos senadores Pedro Taques(PDT/MT), Marta Suplicy (PT/SP), Demóstenes Torres (DEM/GO) e Mário Couto(PSDB/PA), Petecão vai representar a Câmara Alta brasileira junto às comissões de Desarmamento, Assuntos Econômicos e Sociais, Direitos Humanos , Descolonização e Direito Internacional da ONU. ”Vai ser uma oportunidade de enorme aprendizado”, disse o senador.
O parlamentar acreano acrescentou ainda que quer trocar idéias com a linha de frente da política mundial  sobre assuntos fundamentais como erradicação da pobreza, desenvolvimento agrícola e social, sustentabilidade, prevenção ao crime e direitos da criança. "São assuntos globais que dizem respeito à própria condição humana, não importa o lugar", destacou.
E disse que como acreano e integrante da parte mais ocidental da  Amazônia tem muito a dizer , "a respeito de uma região que hoje atrai enorme interesse do resto do mundo".
Petecão lembrou que, como integrante do mais novo partido nacional, o PSD, defende os princípios universais de autodeterminação dos povos e não-interferência em assuntos internos.
De acordo com o senador, hoje a maioria das nações ainda precisa de um estado  forte, regulador das políticas públicas fundamentais como educação e saúde. "Acima de tudo, o mundo precisa de estados  democráticos, com defesa intransigente da propriedade privada mas também dos direitos humanos e de políticas de valorização do homem, centrado em prioridades sociais como a erradicação da miséria".