29 de dez de 2010

A FORÇA POLÍTICA DO MOSQUITO

Escrito por Luiz Calixto | 29 Dezembro 2010 

Resistente, perverso e mutante, o mosquito da dengue, com suas potentes e certeiras lanças de dores nos ossos e queimaduras febris, já levou à cama  milhares de riobranquenses.
À óbito, por hemorragia, dezenas.
Por mais de 4 anos o mosquito sobrevoou o gabinete do secretário Pascal Kalil para apeá-lo do poder, não pelos sintomas da doença, mas por absoluta incompetência.
Reunindo apoio político mais resistente que as larvas geradas pela coligação do Aedes aegypti, Pascal, às duras penas, vegetou no cargo.
Nesta semana, o secretário não resistiu ao nocaute aplicado pelos milhares de casos notificados e beijou a lona.