25 de jan de 2010

OPERAÇÃO BEIJA-FLOR

Bem, depois dessa extensa e esclarecedora reportagem do jornal Correio Brasiliense ( leia tudo aqui ) sobre o volume de negócios escusos da Helibrás com os governos estaduais e federal não resta mais nenhuma dúvida que a função de Jorge Viana é abrir “portas de facilidades” para empresa.

Com mais de 80% dos suas operações vinculadas a órgãos do Estado, a empresa o contratou para o cargo de presidente do conselho de administração apenas com o objetivo de viabilizar suas transações comerciais junto ao governo petista.

Estrategicamente, grandes empresas contratam, a peso de ouro, políticos influentes do partido que está no poder para interferir a seu favor nos órgãos estatais.

De fato, o ex-governador Jorge Viana exerce a bem remunerada função de lobista, o que lhe confere o privilégio de apenas eventualmente ir a Brasília para defender os interesses da Helibrás e em troca receber mensalmente um gordo salário pelas "conquistas".

Na maioria do tempo ele permance no Estado fazendo política e agredindo os adversários.

No caso específico do Acre, onde o lobista casa, batiza e separa, o processo para a compra do helicóptero transcorreu com a impressionante e imbatível rapidez de escassos dez dias entre a lançamento do edital e a contratação da empresa.

Caso a investigação do Ministério Público Federal se aprofunde e conte com a colaboração da Polícia Federal e a quebra dos sigilos fiscal e bancário da diretoria da Helibrás, o povo acreano se surpreenderá com o volume de dinheiro envolvido nas negociatas.

Em homenagem ao voo imitado pelos helicópteros, sugiro que a investigação se chame de OPERAÇÂO BEIJA-FLOR.