15 de mar de 2011

Tsunami de tolices

(Foto de Valter Campanato/ABr)

Político cuja ânsia é manter-se em evidência quase sempre acaba, pelas muitas aparições públicas e entrevistas sobre temas variados, tropeçando na própria língua. No fim de semana, por conta do lançamento da Campanha da Fraternidade 2011 no Acre, a deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) disse que "os terremotos, tsunamis, desmoronamentos e alagamentos ocorridos nos últimos tempos no mundo são consequência da ação humana".

Achei que a repórter poderia ter distorcido as palavras de dona Perpétua. Mas um release de sua assessoria confirmou-lhe o disparate.

Tsunamis são ondas causadas por deslocamento de grande volume de água em oceanos ou lagos. E terremotos resultam de fricção entre placas tectônicas, cuja ocorrência antecede a presença do homem-de-neandertal no planeta.

Discorrer sobre o que se ignora com a desenvoltura de quem tem doutorado em coisa alguma é um risco que a se sujeita todo político falastrão. Mas dona Perpétua Almeida não esteve sozinha no congresso de çábios que tratou da campanha da fraternidade.

Para o bispo Dom Joaquim, a dengue não teria assolado os acreanos não fosse o desperdício de água. Se o que disse Dom Joaquim fosse verdade, os bairros altos de Rio Branco, onde há maior incidência de casos da doença, não seriam os mesmos onde o produto é mais escasso nas torneiras.

O problema de muito discurso aparentemente lógico é que eles podem esconder argumentos sediciosos. A igreja prega a preservação dos recursos hídricos, mas nunca se manifestou contra o esgoto que o governo companheiro faz chegar ao rio Acre via Parque da Maternidade.

Deus está atento ao que os petralhas fazem aqui na terra. Nós precisamos, no mínimo, prestar atenção ao que eles dizem.


ARQUIBALDO ANTUNES