3 de mar de 2011

SEM CHORO, NEM VELA

Não sei por qual motivo os petistas acreanos estão chorando os cortes orçamentários implementados pelo governo federal.
Durante a campanha eleitoral vendiam a  mensagem de facilidade  dizendo que o bom, o melhor  para o Acre seria se estivessem todos juntos. Gato, periquito, papagaio e tudo mais.
E agora?
O governo petista contigenciou as emendas com as quais mantém os seus parlamentares na corda curta e passou a lâmina nos recursos do PAC.
Obras e investimentos estão comprometidos.
A saída é pegar mais um empréstimo para sufocar ainda mais as finanças do Estado.
Portanto, companheiros, nada de choro.
A hora é de mostra competência e resultados.

Afinal, que fim tiveram as importações de tomates, brita  e cimento do Perú?
E as providências relativas aos estudantes de medicina na Bolívia?
Uma pequena fortuna suficiente para abastecer o mercado do vale do Juruá em pelo menos 6 meses foi aplicada para levar empresários, jornalistas engajados, políticos e outras espécies  e o tomate continua custando 8 reais nos municípios da região.
E as pedras que seriam importadas aos montes para construção da BR-364?
Os jornalistas tribuneiros atigiam o orgasmo enquanto escreviam as matérias encomendadas sobre o assunto.
Minhas posições estão devidamente registradas.
Agora o tema da moda é o vestibular.
Se algum vestibulando, aprovado ou não, estiver aguardando por consequências dessas reuniões feitas pra encher linguiça, esqueça.
O objetivo delas já foi atingido: os jornais e televisões já produziram as  matérias  do jeito que lhes pediram.