20 de ago de 2010

Binho acomoda “Fichas- Sujas” no Governo da Floresta

Depois de oficializarem suas desistências de concorrerem ao cargo de deputado estadual pelo Partido dos Trabalhadores, escapando de uma exposição pública de inelegibilidade, o ex-deputado estadual Juarez Leitão, prefeito cassado do município de Feijó e o ex-prefeito da mesma cidade, Francimar Fernandes, foram acomodados pelo governador Binho Marques (PT) para exercerem cargos em comissão CEC – 5.

Ambos vão receber em torno de R$ 5.600,00. Nas publicações do Diário Oficial, não consta os cargos que os ex-prefeitos deverão exercer na administração pública. Juarez foi acomodado na Secretaria de Estado de Floresta – SEF, já Francimar Fernandes, foi nomeado para a Secretaria de Articulação Política.

O que se sabe ao certo é que ambos aparecem nos pedidos de impugnações recomendados e encaminhados pelo Ministério Público Federal ao Tribunal Regional Eleitoral, enquadrados no Projeto da Ficha Limpa.

Francimar Fernandes teve suas contas reprovadas pelo Tribunal de Contas da União e Juarez Leitão foi condenado pelo TRE por ter, segundo a denúncia, cometido abuso de poder econômico, abuso de poder político e captação ilícita de sufrágio (compra de votos).

Nas novas eleições realizadas em Feijó, em que a candidata do Governo Jaciara de Souza, perdeu para Dindim (PSDB), Francimar Fernandes chegou a ser detido, acusado por compra de votos. Segundo matéria publicada no ac24horas, já existiam diversas denúncias de compra de voto contra Fernandes que era coordenador da campanha da candidata petista.

Em seu blog, o deputado estadual Luiz Calixto (PSL), afirma que para o PT, as fichas dos deputados “continuam limpas”.

O deputado de oposição tem razão em cobrar do Governo uma postura mais ética. Calixto fez coro no parlamento a uma proposta apresentada pelo colega Luis Tchê (PDT – AC) que bafejou na Tribuna, o projeto para impedir os Fichas-Sujas a ocupar os cargos de direção ou em conselhos de administração e fiscais em entidades públicas, entidade de classe sindical e assossiações legalmente constituídas.

Exigindo maior rigidez do Projeto da Ficha Limpa, Tchê visou também as bloquear tais nomeações nas organizações não governamentais, entidades esportivas, partidos políticos, organizações da sociedade civil de interesse público, assim como, cargos de assessoramento superior e funções de confiança nos poderes executivo, legislativo e do judiciário e também de exercer atividade em emissoras de rádio e Televisão.

- Não podemos agir apenas na classe política, temos que estender a toda estrutura do poder – comentou o parlamentar governista.

Mas parece que assim como a convocação do assessor dos Povos Indígenas, Francisco Pianko, para depor na CPI encabeçada pelo deputado, acredite, tudo ficou apenas no discurso. A Frente Popular do Acre segue fazendo tudo aquilo que criticava nos governos anteriores.

Outros 16 nomes, a maioria deles dos 14 partidos que compões a Frente Popular do Acre, tiveram seus nomes incluídos no Projeto da Ficha Limpa. Essa semana, por decisão da maioria, o Supremo Tribunal Eleitoral criou jurisprudência e validou para estas eleições, o Projeto da Ficha Limpa.

Jairo Carioca – Da Redação de ac24horas